Visite
Ajoutez à vos favoris
Recommandez LB
o Louvre com a Bíblia
default.titre
default.titre
Subscreva à Newsletter !
www.louvrebible.org
Une visite
de trois départements
du Louvre
En vingt trois étapes




 

Assento Votivo denominado

« Trono de Astarte»             AO 4565


Sully sala 17 b

Deusa dos Cananeus,   
considerada como a esposa de Baal,     
Astarte é o nome grego para Astorete.

Ela guardou a herança do Ishtar da babilônia
de quem ela mesma tinha tomado a successão
de Inanna suméria.

Ela é representada frequentemente sobre
os traços de uma mulher nua com os
orgãos sexuais hipertrofiados.

A prostituição sagrada fazia parte de seu culto.
 

Deusa dos Cananeus, Astarte e o nome grego para Astorete

Ao lado das representações anicónicas (pedras de pé, postes sagrados, Axerá, 1 Reis 16 :33, nota), as figuras antropormóficas destas divindades, como as ‘ imagens talhadas’ (2 Reis 21 :7) constituiam uma verdadeira ‘armadilha’ para os israelitas( Juizes 2 :3). Desta visão do panteão  na qual eles estavam sujeitos diariamente, compreende-se melhor a proibição do Décalogo : « Tu não farás para ti nenhuma imagem talhada[...] Tu não te prosternarás diante destes deuses e tu não os servirás » (Êxodo 20 :4-5). 
 

O termo astorete no singular
figura na Bíblia pela primeira vez
na altura em que Salomão
pôs-se a adorar esta ’ deusa
dos Sidônios ’  - 1 Reis 11:5,33

 

« Tu não farás para ti nenhuma
imagem talhada.
Tu não te prosternarás diante
destes deuses e tu não os servirás »

Êxodo 20:4-5

 
Encontramo-lo quando Josué destruiu os altares erguidos para ‘ a coisa imunda’ dos Fenícios (2 Reis 23:13). O plural astarote designa provavelmente as imagens ou as representações desta deusa pagã (Juizes 2 :13). Seu culto era talvez praticado em Canã desde a época de Abraão, porque uma das cidades do país tinha o nome de Asterote – Carnaim. - Gênesis 14 :5

Ashtarte e a adoracão de deusas-mães

 

Jarro  da deusa Isthar     AO 17000

Este grande jarro de culto está
ornamentado com a imagem de Isthar .

Ishtar, ou Inanna para os Sumérios,
é ao mesmo tempo a deusa da guerra,
e a incarnação divina do amor,
mestra da sexualidade e da fertilidade.

Vê-se nela sem dúvidas, o antepassado das deusas-mães. Ela era Isis no Egipto, Afrodite na Grécia, Venus em Roma, Astarte na Fenícia, Astorete na Bíblia.

Este prototipo babilônico é a fonte do posterior culto das deusas-mães.

Essencial e omnipresente na história do homem, ele constitue um dos mais importantes temas na origem das religiões e das civilizações.
 
Os documentos descobertos em 1929 em Ras Shamra (antigo Ugarit) confirmaram a natureza extraordinariamente vil e perversa do culto cananeu. As deusas Astarte, Anate e Asera simbolizavam  ao mesmo tempo a luxuria, a violência sádica e a guerra. Os ritos e as festas das deusas da Fecondidade exalavam uma sensualidade incontestável.

Os Cananeus, civilização caracterizada
por uma corrupção e uma brutalidade

Os Cananeus adoravam seus deuses praticando diante deles actos imorais, que tinham valor de ritos religiosos, e assassinando seus primogênitos. Ao que parece o território tinha-se  tornado numa espécie de Sodoma e Gomorra a nível nacional.
Uma civilização caracterizada por uma corrupção e  uma brutalidade tão abomináveis tinha ela o direito de viver mais tempo ? Surpreende-nos que Deus tenha mandado exterminar-los? -
Deuteronômios 7:1-2.
 

Os arqueólogos que escavaram
as ruinas das cidades cananeias estranharam que Deus não os
ivesse destruido
muito mais cedo

 

Uma civilização caracterizada por
uma corrupção  e
uma brutalidade abomináveis

 
Como o seu prototipo
súmero-babilônico, Astarte aparece
com dois aspectos :
 
Ora a deusa da guerra, ora a do amor
 

 « na sua mais baixa expressão o carácter erótico da religião cananeia perdeu-se forçosamente nas profundezas mais sórdidas da decadência humana »

 
Aqui uma mulher nua, pronta para os enlaces que serão criadores de vida, ali uma criatura vestida e armada, que conduz para o  combate todos aqueles que a veneram.
 
 

Ishtar de tell Ahmar     AO 11503 

Richelieu  Antiquidades Orientais Rdc sala 6

 
Neste relevo a deusa da guerra está de pé por cima de um leão, seu animal-atributo, que  ela tem acorrentado.
 
Ela está penteada com a tiara cilíndrica;
e tem como coroa, uma espécie de disco estrelado.

Uma inscripção esclarece a sua identidade : « Ishtar da cidade de Arbales», que foi particularmente venerada pelos  Assírios.
Astarte era também a deusa da guerra dos Filisteus que viviam em Canã, visto que Saul, após a sua derrota foi colocado na casa das imagens de astorete.- 1 Samuel 31:10.
 
 
Deuses  egípcios e estrangeiros   C 86   

Sully  1° andar sala 28 vitrine 1
 

 

Nesta estela está 
ao lado do Egípcio Min e do

cananeu Repech, a síria Qadech,

Síntese audaciosa mas exacta da deusa da mesopotâmia Inanna/Ishtar


Com o duplo aspecto da guerra ( o leão)
e do amor ( a mulher nua).

 

 

 
 

   
Estatueta da deusa nua de pé


AO 20127 



Esta delicada estátua,
a 'Grande Deusa',
com os braços articulados e ornada das suas joias revela  a sua naturalidade feminina.



Ela reune o corpo lascivo de Vénus e o crescente da casta Diana.


É através de placas em barro moldado provenientes da Síria e representando
a deusa Astarte que propagou-se
a imagem de uma deusa nua depois vestida.

 

 
Ver também ,  
 
Pingente   AO 14714    Sully Levant sala B vitrine 8

O material descoberto em Ras Shamra mostra-nos o rosto de uma deusa nua, de terra ou de ouro. Aqui a deusa nua, cercada de serpentes, subiu num leão e domina dois caprinos.
 
As figurinhas são frequentemente as de uma mulher cujos orgãos sexuais são grosseiramente exagerados. A propósito do culto fálico dos Cananeus, W. Albright diz que «na sua mais baixa expressão o carácter erótico da sua religião perdeu-se forçosamente nas pronfundezas mais sórdidas da decadência humana. »
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 




Haut de page