Visite
Ajoutez à vos favoris
Recommandez LB
o Louvre com a Bíblia
default.titre
default.titre
Subscreva à Newsletter !
www.louvrebible.org
Antiga Mesopotâmia
Mesopotâmia
Assíria Nínive
Arslan Tash, Barsip Til
Palácio de Dario, o Irã
Phoenicia Arábia Palmyra
Síria costeira
Ugarit Byblos




 

Incensário manual

E 14687

Sully sala 15 vitrina 2


Seguro a meio do braço,
um recipiente actualmente desaparecido, continha a reserva de grãos de incenso, que se queimavam na cúpula da extremidade.

 

Antes da sua colocação no túmulo,
realizava-se a cerimónia de abertura da boca
e dos olhos

 

“Os deuses adoram
os perfumes”
diz um ditado egípcio.  

Incensario, egipcias rituais de adoracão e catolicos

Pudemos observar inúmeras analogias com o ritual católico, como a comunhão do padre no momento da Eucaristia com o sol a renascer que reaparece acima da flor de lótus ;
     

a procissão do Santo Padre, transportada em macas e rodeada de leques semelhantes aos
dos egípcios;

a cerimónia ritual de entronização da “abertura da boca e dos olhos”, destinada a dar vida a múmia antes de introduzi-la no túmulo 

 

‘"Sem dúvida alguma,
os sucessores de São Pedro
se inspiraram do velho
ritual egípcio”

Christiane Desroches Noblecourt
 

 
Na Bíblia, encontra-se uma referência ao comércio de incenso em Génesis 37:25.
 

Os incensários não são mencionados
como figurando nos utensílios religiosos durante os quatro primeiros séculos.



Os primeiros cristãos recusavam-se

a queimar incenso em honra do imperador romano e até mesmo a participar na sua comercialização.


No sistema cristão “ o [incenso] significa
as orações dos santos.” - Revelação 5:8

 


incensários     E 11270, E 11655

 
Denon sala B, montra C 5, M 16  

   
 

 





Carte Chronologie Début du départementSceau cylindre de roi prêtreAntiquités EgyptiennesAntiquités Romaines Haut de page