Visite
Ajoutez à vos favoris
Recommandez LB
o Louvre com a Bíblia
default.titre
default.titre
Subscreva à Newsletter !
www.louvrebible.org
Une visite
de trois départements
du Louvre
En vingt trois étapes




 

A tortura de Mársias   MR 267

Sully sala 17


Cruz ou jogo?
 

O sileno Mársias teve a ousadia  de desafiar
o deus Apolo num concurso musical.


Derrotado, ele foi condenado a ser esfolado vivo.
Pendurado num pinheiro ,
ele aguarda pelo terrível castigo.

Esta estátua mostra a tradução possível e
talvez a mais correcta  dos termos usados para descrever a execução de Jesus.

"Se você é um filho de Deus,
desce da estaca de tortura".
- Mateus 27:40. (Ou 'cruz', Lienart).

A tortura de Mársias

Em latim, é chamado de crux simplex, uma simples estaca onde se amarravam os criminosos. Nos escritos de Tito Lívio, historiador romano do século 1, crux significa uma estaca direita.
 

O estudioso católico Justus Lipsius (1547-1606)mostra este instrumento de tortura no seu livro De Cruce Libri Tres.

A palavra grega stauros,
é traduzida por piquete (parte da
vedação), pal (já utilizado pelos
assírios e persos) ou poste
no qual se suspendia a vítima
.

Os apóstolos Pedro e Paulo também
usaram  o termo xulon para descrever o pedaço de madeira sobre a qual Jesus foi pregado.

"Cristo tornou-nos  livres [...],
tornando-se maldição para nós, porque está escrito: Maldito todo o homem pendurado num poste" (Gálatas 3:13).
Na citação do livro de Deuteronômio 21:23, a palavra usada  significa  uma árvore ou madeira.

 
Os Hebreus não tinham uma palavra para designar a cruz tradicional. Encontramos a palavra xulon (em aramaico) na Septuaginta em Esdras 6:11, onde se fala duma única peça de madeira na qual devia ser amarrado o infractor.

Cruz ou jogo?

" Stauros significa, uma estaca
ou um poste vertical
.

Tanto o nome como o verbo stauros são diferentes da ‘cruz’ composta por duas traves de madeira. ”


Vine's Dictionary

  Muitas traduções do Novo Testamento, traduziram as palavras de Pedro (Actos 5:30) como segue:

"O Deus dos nossos pais ressuscitou Jesus, a quem vós matastes, suspendendo a um poste."

Esta palavra é traduzida por "madeira" em outras versões (Chouarqui, Darby, Sinodal, NVI).
 

O Retábulo de São Dinis  MI 674

Henry Bellechose

Conhecido em Dijon (1415 - 1444)

Richelieu 2  sala 3

 


Não se encontra na arte simbólica dos primeiros séculos representações  da morte redemptora do Cristo.

Sob a influência da proibição mencionada no Antigo Testamento os primeiros cristãos recusavam-se a a reperesentar o instrumento da Paixão
de Cristo.

 

 
A maioria dos peritos concorda que a cruz não serviu de referência gráfica antes da época de Constantino. O crucifixo mais antigo que foi identificado como objecto de culto público era o crucifixo venerado desde o século VI na igreja de Narbonne no sul da França.

Facto estranho mas incontestável, nos séculos que precederam o nascimento de Cristo, e desde então e nos países que não tinham sido afectados pelos ensinamentos das Igrejas, a cruz era usada como símbolo sagrado.

Não se encontra na arte simbólica dos primeiros séculos representações  da morte redemptora do Cristo

  A cruz não tornou-se o principal emblema e símbolo do cristianismo antes do quarto século.

Sir Wallis Budge

    Nada permite affrimar que os termos originais referem-se à cruz tradicional, especialmente porque este símbolo religioso foi usado por não-cristãos antes de Cristo.

Ao longo dos séculos, surgiram cerca de 400 tipos de cruzes.
 
O ankh (cruz ansata) era o símbolo da vida entre os egípcios. O Ankh significava a eternidade.  As cruzes  gregas  tinham ramos de igual comprimento que se cruzavam no meio.  A cruz patriarcal  tem duas barras, a cruz papal tem três. O crima(XP) é identificado com o monograma de Cristo. A forma da "cruz",  com duas vigas em ângulo recto em forma de Tau místico, origina-se da antiga Caldéia.
 
Assim, nada permite affirmar que as palavras originais referem-se à cruz tradicional, sobretudo porque este símbolo religioso foi utilizado por não-cristãos  muito antes de Cristo. Dito isto, a morte de Jesus como "um resgate para muitos” é um ensinamento fundamental das  Escrituras. - João 3:16, Mateus 20:28.
 
Voir aussi
     
      Le sacrifice d'Isaac en tableaux
 

 




Haut de page